52 weeks: 11ª semana - Meus brinquedos favoritos na infância

52 weeks está de volta e agora sessão nostalgia pra vocês, vou falar dos brinquedos que mais gostava na infância...ah, a infância....parece que foi ontem só que definitivamente não.

1. Geloucos/Gelocósmicos

Eu sei que parece um baita brinquedo inútil e acho que ninguém brincava do jeito que era pra brincar (fazendo eles quicarem no chão), mas eu sempre gostei de coisas pra colecionar e miniaturas, adorava montar cenários aleatórios e colocar bonequinhos lá. Os gelocósmicos eram perfeitos pra isso porque eram muito variados e encaixavam em qualquer tema.
Lembro de pegar umas pedras de exoterismo da minha mãe, empilhar e brincar com os gelocósmicos faraó e múmia (e mais algumas miniaturas aleatórias), fingindo que aquilo era uma tumba com tesouros preciosos (é, eu viajava na maionese).


 2. Lego

Porque Lego é vida (e dor no pé).


3. Forte Apache

Eu adoraaaaaaava brincar de forte apache. Como eu disse, gostava de montar cenário e brinquedos pequenos, misturava tudo, tinha fazendinhas com índios, cervos, galinhas e dinossauros, todos convivendo bem felizes. O forte era o meu cenário favorito, passava horas brincando. Detalhe que eu colocava os índios dentro do forte, sei lá porque achava que lá era a casa deles hahaha. O que eu tinha era bem esse da foto (detalhe, ele ainda existe aqui em casa).



4. Jogos de tabuleiro

Outro tipo de brinquedo que gostava muito eram jogos de tabuleiro, brincava muito com a minha irmã de vários deles: Jogo da Vida, Banco Imobiliários (os clássicos!), Imagem e Ação, Focus... o nosso favorito era o Olho Vivo da Disney. Gente, tenho esse jogo até hoje! Esses dias mesmo estava brincando com o meu sobrinho, coisa linda isso.


5. Cavalo de Madeira

Ganhei um no meu aniversário de 4 ou 5 anos, não me lembro. Eu não brincava tanto de me balançar nele, mas adorava o bichinho, arrastava ele pra casa toda e cheguei até a fazer maquiagem pra virar menina por um tempo (minha mãe não gostou muito da ideia rsrs). Infelizmente não achei uma foto igual ao que eu tinha e nem minha foto nele, mas esse está aí pra representar a classe dos cavalos de madeira.


Bônus: Super Nintendo, o Melhor Videogame do Mundo!

Videogame conta como brinquedo, né? Bem, esse foi o único videogame que tive na infância, mas ele foi perfeito, tudo que precisava hahaha. Não que eu fosse uma ótima jogadora, em geral assistia a minha irmã jogar e ajudava a descobrir o que fazer ou morria desesperada com um inimigo totalmente inútil. Tinha também os jogos de duplas, esses eu jogava, como Donkey Kong, Mickey e Donald ou então esperava pra ser o "Mário verde" (irmã mais nova né...).
O meu jogo não veio com o Super Mario World como a maioria, ele veio com o Killer Instinct, que vinha junto com um CD muuuito bom que tá aqui até hoje, infelizmente o videogame não durou tanto...snif.



Agora me conta aí, quais eram os seus brinquedos favoritos na infância? Tem algum em comum? Deixa aqui nos comentários suas histórias de infância, vou adorar saber!

TAG: 7 Pecados Literários


Oi gente! Hoje eu vim responder a uma TAG muito legal, a 7 pecados literários!
Fui indicada pra responder essa TAG pela Raíssa do blog Books Impressions, muito obrigada Raíssa. Aproveita e dá uma olhada lá no blog, as meninas tem várias resenhas ótimas. ^^
Vamos à TAG:


01. Avareza: Qual o livro mais caro e o mais barato da sua estante?

A coleção do Guia do Mochileiro das Galáxias. Acho que custou 19,99 os cinco livros.
O mais caro eu não lembro, vou chutar que é o Senhor dos Anéis (a trilogia) que custou 90,00 mas foi comprado em 2002, quando 90 reais valia muito mais do que hoje em dia xD


02. Ira: Com qual autor você tem uma relação de amor/ódio?

André Vianco. Porque ele escreveu dois livros que eu adoro que são O Senhor da Chuva e Os Sete e, infelizmente, a sequência Sétimo é bem chatinha e me desanimou muito pra continuar a ler o resto (que são vários livros).
Ele ainda produziu uma HQ muito linda que seria um prelúdio de Os Sete, mas a HQ foi cancelada na 2ª edição e eu fiquei lá esperando pela continuação com as minhas duas edições na mão. Muito triste! MAS, só pra deixar claro, a culpa não é do autor, até onde sei ele escreveu a história completa, mas a editora cancelou a produção.


03. Gula: Qual livro você devorou sem vergonha nenhuma?

O Senhor dos Anéis. Não foi o primeiro livro que ganhei de presente, mas foi o primeiro que pedi (acho que no meu aniversário de 12 anos). Fiquei tão empolgada que comecei a ler na mesma noite e dividia com a minha irmã, ela lia de dia e eu durante a noite (sempre fui mais noturna), porque uma simplesmente não podia esperar a outra terminar de ler tudo haha. Nesse ritmo levamos 6 dias pra terminar.


04. Preguiça: Qual livro você tem negligenciado devido à preguiça?

 Nossa, são tantos. Mas no momento estou negligenciando a série Guerra dos Tronos, porque quero ler numa levada só e com certeza não estou no pique pra isso no momento (isso vale pra série também que parei na 4ª temporada, mas agora o ânimo está voltando já que a nova temporada estreou e todo mundo só fala nisso!)


05. Orgulho: Que livro você tem mais orgulho de ter lido?

O Morro dos Ventos Uivantes. O livro é muito bom, mas não acho que é considerado uma leitura fácil, o texto é bastante denso e pode ser um pouco cansativo. Mas o meu grande orgulho de ler esse livro foi que, além dele estar em um português muito antigo, pois o livro era muito velho, ele cheirava demais a mofo e eu sou super alérgica. Achei que ia desistir fácil dele, mas gostei tanto que fui até o fim e terminei bem rapidinho.


06. Luxúria: que atributos você acha mais atraentes em personagens femininos e masculinos?

Gente, ainda não achei meu par literário perfeito. E nem nenhuma personagem feminina que admire assim, tenho que ler mais livros, muito mais! hahaha
De qualquer forma, acho que gosto de personagens misteriosos, mas não sei citar algum no momento.


07. Inveja: Qual o livro você gostaria de receber de presente?

Hyrule História, com certeza. Eu adoro os jogos, gosto de saber sobre a criação e desenvolvimento de jogos e animações, adoro concept art e ilustração e esse livro tem tudo isso e mais um pouco. É perfeito! *-*

Gostaria de indicar os seguintes blogs para responder à TAG. 

Por Favor, Julia
All Things Blue
Isa Nonemacher
Paraíso de Ideias
Spread Wings

Também quero deixar o convite para quem mais quiser responder, aqui por comentários ou no seu blog, vou adorar saber suas respostas.

Beijos para todos, e May The 4th Be With You!  ;)

Resenha - Guerra Civil (livro)

Com a proximidade da estreia do filme Capitão América: Guerra Civil, me senti na obrigação de fazer uma resenha sobre esse livro (e também porque a ansiedade pro filme me deixou com vontade de falar sobre esse assunto hahaha).


Antes de começar, quero deixar bem claro duas coisas:

1. Esse livro não é a história original da Guerra Civil, e sim baseada na história original dos quadrinhos, embora ambas sejam bastante parecidas, alguns detalhes são diferentes, além é claro da grande diferença narrativa.

2. Apesar do título, o filme Capitão América: Guerra Civil será muito diferente da história das HQs e livro, em muitos sentidos: personagens participantes, motivos, desfecho, lembrando ainda que muitos personagens que participam da Guerra Civil original não estarão no filme por motivos de direitos cinematográficos divididos (com exceção do Homem-Aranha).

Agora que está tudo esclarecido, vamos lá!

Guerra Civil conta um arco dos personagens da Marvel em seu universo regular, em um período no qual super heróis são muito populares e em tão grande quantidade, que é até difícil para eles conseguirem um espaço.  Por causa disso, um grupo de heróis iniciantes denominado Novos Guerreiros decidiu participar de um reality show para ganhar mais visibilidade e, quem sabe, trabalhos melhores e respeito. Durante uma perseguição à um grupo de vilões super poderosos, as coisas saem do controle e uma imensa explosão acontece perto de uma área escolar, matando centenas de pessoas, a maioria crianças.



Essa catástrofe faz com que a população comece a temer e odiar heróis, mutantes e derivados. O governo então propõe que todos os heróis revelem sua identidade e passem a atuar sob vigilância (e mais 500 cláusulas anexadas). O embate começa quando Tony Stark (Homem de Ferro) apoia a lei de regulamentação dos heróis e Steve Rogers (Capitão América) é contra a lei e se torna fugitivo, formando um grupo de resistência ao governo e à S.H.I.E.L.D.

Como dito anteriormente, o livro Guerra Civil, adaptado por Stuart Moore, tem suas diferenças das HQs, afinal meios diferentes pedem uma abordagem diferente. Apesar disso, a história dos personagens não foi absurdamente alterada, em geral a grande diferença é o destaque maior que alguns personagens tem e maior riqueza de diálogos (com algumas exceções, como história de fundo do Homem Aranha ou o que acontece com um dos heróis envolvidos na explosão, por exemplo). Então se você já leu as HQs e gostou do que viu, fica a dica, tem um pouco mais de cada um deles no livro ;)



O livro é muito bem escrito e não se prende em descrições de personagens e de como eles chegaram até aquele ponto da vida, o autor assume que o leitor já conheça pelo menos um pouco do universo e seus personagens. Apesar disso, não é realmente necessário ser super entendido de quadrinhos para poder ler Guerra Civil, mas se você quiser ter uma noção maior do que tá rolando,  uma rápida olhadinha na Wikipédia já é o suficiente hahaha.
Sendo bastante fiel às HQs, o livro possui um humor adulto, pesado, porém divertido. Uma das melhores coisas da adaptação é o fato do leitor poder seguir os diferentes grupos, saber de seus medos e ambições. Isso faz com que seja mais difícil escolher um lado, não há vilões em Guerra Civil e nenhum lado completamente certo ou completamente errado, cabe ao leitor decidir por qual causa tem mais empatia #TimeHomemDeFerro.


(Roubei os bonecos do meu sobrinho por motivos de: não resisti! Qual lado escolher, Homem Aranha?)

Uma coisa que me incomodou um pouco na leitura, a única na verdade, foram as descrições de lutas. Na Guerra Civil original, mais de vinte heróis formam os times, durante uma batalha há diversas micro lutas acontecendo e o autor as descreve de forma bastante rápida, mas como são muitos personagens os parágrafos acabam sendo grandes e as descrições rasas, pois ele não pode gastar páginas e páginas em apenas uma dupla. Para quem conhece os personagens isso pode se tornar cansativo, pois já sabemos como aquele personagem luta. Para quem não conhece, a descrição acaba por se tornar insuficiente e tirar o foco do acontecimento principal do capítulo sem acrescentar muito. Mas é preciso dar um desconto, afinal essas cenas são necessárias e bastante difíceis de resolver, lembrando que isso não acontece em outros livros da série que focam em um personagem, como o livro Homem Aranha: Entre Trovões ou Homem Formiga: Inimigo Natural.


Apesar disso, toda a escrita é bem fluída e as passagens de lutas podem incomodar um pouquinho, mas não atrapalham consideravelmente a qualidade do livro. Em resumo, Guerra Civil é um ótimo livro, bem escrito, que detalha e dá foco em várias questões colocadas nos quadrinhos. É uma história política que mistura ação e fantasia, com personagens reais apesar de suas características infelizmente absurdas.
Para quem quer conhecer mais sobre o universo dos super heróis, mas não se dá muito bem com a leitura de HQs, Guerra Civil (e os outros lançamentos dessa série) é um ótimo começo, recomendo!

Sobre a edição, eu tenho a versão comum (existe uma super linda de capa dura, preta e prateada), mas ela é muito bonita, tem ilustrações na parte interna da capa mostrando os heróis no local do desastre de Stamford (a explosão próxima à escola), várias páginas pretas com os símbolos dos líderes dos dois lados da Guerra Civil, um bom espaçamento, as páginas são meio amareladas então não cansam os olhos. Adorei essa edição! A minha foi comprada na Saraiva online e veio com esse mini marcador super fofo do Homem Formiga *-*)


Bônus: É uma ótima leitura pra quem está ansioso para o filme! 
E aí, ficou interessado em ler? Comenta aí!

Editora: Novo Século
ISBN: 9788542804126
Páginas: 398
Adicione! Skoob
Nota: ❤ ❤ ❤ ❤ 

52 weeks: 10ª semana - Minhas comidas favoritas

Faz bastante tempo que não tem um 52 weeks aqui, fui me empolgando com outros posts e acabei empurrando esses mais pra frente, agora já estou umas boas semanas atrasada haha. Mas tudo bem, porque hoje a gente vai falar de comida e comida melhora tudo!

1. Guacamole

Adoro guacamole porque é uma comida fácil de fazer, rápida e gostosa, ótima pro verão e se o gás acabar no domingo à noite não tem problema, porque guacamole não cozinha! hahaha



Curiosidade: a primeira vez que comi guacamole não faz tanto tempo assim, fui apresentada ao prato pelas minhas colegas de quarto. Valeu Mal e Jazz, suas lindas! ^^

2. Kibe

Meu salgado favorito nas festinhas de criança, viciei nos danadinhos, principalmente depois de conhecer os recheados de vários sabores (ervas, berinjela, queijo, nozes....hummm, fome!)


3. Sorvete!

Porque a vida é melhor com sorvete.
Hoje mesmo estava tomando um picolé de uva e no palitinho estava escrito algo do tipo "Não há um caminho certo para a felicidade, mas o atalho com certeza é um sorvete". Nada mais correto. u.u


Eu só consegui pensar nessas três coisas que gosto em um nível maior que o normal, porque gosto muito de comer e não sou muito chata com comida, então me resolvi por essas.
Ah sim, mais um motivo para a demora desse post é que eu queria fazer ele ilustrado, mas não rolou, quem sabe na próxima né.

E um breve aviso aos navegantes! Se você acompanha esse blog deve ter notado que o ritmo das postagens diminuiu. Isso aconteceu porque desde a semana passada estou fora de casa a estudos/trabalho e até ontem não estava de posse total do meu notebook (isso significa: esqueci o carregador em casa ¬¬).
Então nos próximos meses, infelizmente farei apenas um ou dois posts por semana, pois ainda estarei fora de casa. Mas não se preocupa, conforme eu for me adequando tudo volta ao normal, tentarei postar toda quarta-feira e/ou domingo, então vem me fazer uma visitinha nesses dias.  ;P

Beijos e um ótimo final de semana à todos!

Jogos: 3 jogos para baixar no seu celular

Hoje eu quero falar sobre três apps de jogos para smartphone/tablet que tenho jogado bastante nos últimos tempos.
Não sou muito ligada em jogos casuais, mas às vezes eles salvam vidas, principalmente em filas longas ou quando você esquece de levar um livro em uma viagem, por exemplo. Vou citar aqui três gratuitos e no futuro falo de mais alguns que são pagos, mas que valem muito a pena.


O primeiro é bastante conhecido e já rendeu várias continuações, o Cute The Rope.
Trata-se de um jogo de puzzels, no qual o objetivo é alimentar o monstrinho Om Nom com um doce que sempre está preso em uma corda (daí o nome do jogo). A cada nível a tarefa fica mais difícil, e é preciso coletar uma certa quantidade de estrelas para desbloquear novos níveis.

Além de divertido e de ajudar a exercitar a mente, o jogo tem um visual muito bonitinho, é impossível não achar o Om Nom adorável. Cute the Rope já rendeu várias versões, como a original, o Cute the Rope 2,  Cute the Rope ExperimentsCute the Rope: Magic (o mais novo lançado até o momento), e o Cute the Rope: Time Travel, que é o que estou jogando atualmente.


O segundo jogo é Badland, um jogo com visual lindo que se passa em uma espécie de floresta em ruínas. O jogador controla uma criaturinha chamada Clony através dessa floresta, e cada nível se passa em dentro de alguns dias, divididos entre amanhecer, meia-dia, crepúsculo e noite, cada uma com uma cor e armadilhas diferentes. Clony é capaz de se clonar dã! e assumir características diferentes de acordo com os itens que ela encontra pelo caminho (como fazer o tempo passar mais devagar, rolar em alta velocidade, diminuir, etc).


Esse jogo é muito bom e também muito difícil, viciante! Além de ter um visual lindo, adoro esse estilo com cenários bem desenhados e pintados e personagens mais simples.

O terceiro e último jogo conheci através das propagandas em Cute the Rope e gostei bastante, trata-se do King of Thieves. O jogo é um MMO no qual o jogador controla um ladrão, que tem como objetivo desafiar o rei dos ladrões e se tornar o ladrão mais rico do mundo. Para isso, o jogador deve proteger seu calabouço com diversas armadilhas, pois assim como você fará, outros jogadores podem entrar em seu calabouço para tentar roubar suas pedras preciosas. 
Há um período no qual o jogador deve fortificar seu calabouço e invadir outros para aumentar sua pontuação na liga em que está participando (a primeira é a de madeira), após desafiar muitos ladrões e acumular muitas gemas, o jogador pode finalmente desafiar o rei dos ladrões.


A coisa mais legal desse jogo é que você pode interagir com outros jogadores. Além de roubar eles, você pode participar de guildas e pedir ajuda para seus amigos para tentar recuperar seus itens roubados.
O jogo é bastante divertido, mas é muito difícil também, pelo menos eu acho haha.


Agora me contem, alguém aí já jogou algum desses? Se ainda não, corre pra baixar, eles valem muito a pena e são de graça!