52 Weeks - Semana 16: Isso, pra mim, não é diversão


No 52 weeks de hoje eu vou falar brevemente sobre três atividades quem em geral são classificadas como diversão, mas pra mim não diverte em nada.

Beber até me acabar
Não sou exatamente fraca  para bebidas, mas não acho divertido beber apenas por beber e passar mal, gosto de experimentar as bebidas diferentes, beber pela companhia dos amigos, coisas assim. Na verdade o que eu mais gosto de fazer é preparar as bebidas pro pessoal, infelizmente essa prática foi vetada pelos meus amigos porque, aparentemente, quando eu preparo bebidas as pessoas tem a tendência de ver os carrinhos do Mario Kart pegando fogo, quando na verdade é só o poder da estrelinha... enfim...

Balada
Não que uma balada não possa ser legal, mas em geral eu gosto de ir a lugares onde posso conversar com meus amigos e baladas não favorecem muito a conversa. 
"Pegar" também é algo que não me agrada muito, gosto da sensação de começar a gostar de alguém, as borboletinhas no estômago, sabe? 

Dançar
Pelo simples fato de que eu sou uma pata que não consegue andar em linha reta sozinha sem tropeçar nos próprios pés, então imagina dançar. Mas imagino que quando a pessoa sabe o que está fazendo deve ser sim bem divertido, do contrário, é uma tortura, pelo menos pra mim XD

Acho que por enquanto é isso, não consegui lembrar de mais nada haaha

DIY - Canecas Decoradas

Oi gente, hoje eu vim com um pequeno post de inspiração para quem gosta de DIY simples.
Eu adoro sair pelo Pinterest pinando um monte de ideias legais pra depois fazer, mas tem algumas que são bem complicadas e acabo perdendo o ânimo, então pra não ficar parada começo pelo simples e é isso que eu vim mostrar hoje.
Adoro colecionar canecas dos mais diversos modelos, com desenhos, frases, lisas, etc elas são ótimas pra enfeitar o ambiente (e um ótimo porta trecos hehe), se a sua caneca é simples é possível customizar de várias formas.


Efeito de aquarela (ou marmorizado) feito com esmalte

Esse tipo é bem simples e fica muito bonito. Basicamente, você pega um pote com água (gelada de preferência, pois faz a tinta espalhar melhor), pinga algumas gotas de esmalte na água, mergulha o objeto na água e retira-o logo em seguida colocando pra secar. Se tomar cuidado ao lavar o copo ou caneca nem é necessário passar verniz ou fixador, pois o esmalte tem ótima aderência e brilho natural.
Ah, lembrando que é possível usar esse truque nas unhas também, só é um pouco complicado de limpar pois suja muito o dedo, mas fica bem bonito.





Tinta Spray

Nesse caso geralmente é necessário usar algum molde vazado para fazer o desenho, mas se você não tem muita habilidade com desenhos e recortes nem precisa se preocupar, às vezes algumas faixas de fita crepe em ângulos legais já são o suficiente para deixar a peça com uma cara nova. Tinta spray é o recomendado, mas é possível usar rolinhos para pintar com outros tipos de tinta também.



Desenhos com canetas

Um dos meus itens favoritos para DIY em garrafas e canecas é a caneta Posca ou Sharpie, elas tem várias cores, espessuras e formatos diferentes dando inúmeras opções para customização. Você pode fazer um desenho simples se não sabe desenhar, como vários corações espalhados formando uma textura, ou um rostinho de bichinho fofo, por exemplo. Com esse tipo de customização dá pra soltar muito a criatividade.




Você também pode escrever uma frase ou citação que acha legal e decorar com adornos simples. Fica bem charmoso e é simples de fazer.




O legal dessas canetas é que você pode apagar o desenho e fazer um novo (água e sabão ou um pouco de álcool já resolve) ou torná-lo permanente com fixador ou levando a caneca ao forno por cerca de 40 minutos a 200ºC (esse tempo e temperatura varia de forno pra forno, mas foi o que deu certo pra mim), só se certifique de que a caneca que você vai levar ao forno não seja muito fina, pois ela pode não aguentar o calor. 

Eu fiz algumas experiências com as canetas e canecas lisas que tinha em casa. Usei a Posca PC-5M que é um tamanho médio com ponta arredondada. Ela é boa pra preencher áreas razoavelmente grandes, mas um pouco difícil pra desenhar detalhes, então se for fazer um desenho em caneca recomendo que use uma ponta menor como a PC-3M, na verdade ela é a ideal pra isso.






Como só tinha as cores preto e branco usei a própria cor da caneca como parte do meu desenho, escolhendo personagens que tinha essas cores (e que eu gosto muito, aliás). Minhas canecas não ficaram as mais bonitas do mundo, mas foi bem divertido de fazer. Elas ainda são uma boa opção de presente, é sempre legal quando alguém gasta um pouco do seu tempo fazendo algo pra nós, torna tudo mais pessoal. =)

As imagens de  DIY foram retiradas do Pinterest, para acessar o link original basta clicar na imagem, assim você pode chegar no tutorial completo de cada uma para mais detalhes.
Espero que tenham gostado e se inspirado a decorar coisas por aí. Para mais inspirações como essas, visite o Pinterest do Eating Peanuts!

52 weeks - 15 semana: O que há de pior no mundo virtual


Fiquei vários dias (até semanas) adiando essa postagem porque o tema realmente não me interessou muito, não gosto de falar de coisa ruim rsrs. Mas eu me propus a fazer o desafio (mesmo que esteja quase uma no atrasada hehe) e não dá pra continuar se pular um.

Agressão verbal
Muita gente acha que xingar alguém não consta como agressão, mas é sim, capaz de ferir os sentimentos a auto-estima das pessoas. Só porque as pessoas estão atrás de seus computadores acham que podem dizer tudo, pra mim isso é uma das piores coisas.

Todos acham que estão certos
Discutir saudavelmente e defender suas opiniões é perfeitamente normal e até aconselhável, mas as pessoas ultimamente (não só na internet, mas principalmente nela) tem entrado em discussões apenas para poder ofender os outros, sem abrir suas mentes e respeitar a opinião alheia...você pode até não concordar com o ponto de vista do outro, mas deve-se sempre respeitar, e isso infelizmente não acontece.

Bullying
Meio que se encaixa na agressão verbal, mas vai para um nível pior quando a coisa saí do nível de discussão e entra em difamação, minimar a pessoa e espalhar coisas intimas, sejam elas verdadeiras ou não.

Te muitas coisas, desde os mimimis da vida, onde todo mundo é vítima, todo mundo é super politizado mesmo não sabendo de que merda está falando, as agressão verbais, plágio, as postagens de animais e pessoas mutiladas só pelo fato de chocar, falsificações, vírus, stalkers e até mesmo a parcela de coisas ruins que se encontra no mercado negro da web, sem contar uma coisa bem ruim e que nem percebemos: o vício. 
Mas eu quis parar a lista por aqui e seguir em frente. Esse assunto já foi, então vamos tratar agora de criar um cantinho melhor, mais feliz e bonito na internet. Alguém aí quer me ajudar? =)

Review: Doutor Estranho

O mais novo longa da Marvel e último filme de super-heróis do ano prometia intrigar o público e apresentar uma nova realidade e Universo muito mais expandido para nossos heróis, e de certa forma cumpriu o que prometia.

Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) é um renomado cirurgião, rico, bem sucedido e egocêntrico, que apenas aceita casos complicados que não manchem a sua carreira.  Ao sofrer um grave acidente de carro, Stephen perde o controle sobre o movimento de suas mãos e parte em busca de uma recuperação. Mesmo tentando as mais modernas e caras cirurgias, a recuperação se mostra improvável, o que o faz seguir até Kamar-Taj onde supostamente uma pessoa tetraplégica foi curada. Porém, ao invés da cura, Stephen aprende muito mais sobre o Universo e outras dimensões.


O filme é definitivamente o mais adulto da Marvel, tratando de morte, violência e auto-conhecimento, além do tão falado Multiverso que pode ser algo complicado para os mais jovens absorverem. Apesar disso, o filme se mantém com a mesmo fórmula de outros filmes da Marvel, que apresenta algo pesado para depois aliviar a tensão com uma piada ou musiquinha divertida. Apesar disso, as piadas não chegam a ficar fora de tom, em geral elas refletem a personalidade do protagonista e seu desconforto diante de todo aquele conhecimento novo, já que até então Stephen achava que sabia de tudo e não acreditava em poderes mágicos, espiritualidade e tudo mais.


Doutor Estranho é muito focado em si mesmo e não se preocupa em fazer grandes conexões com os Vingadores ou outros filmes da Marvel, embora essa conexão já esteja bem encaminha. Somos apresentados a mais uma Joia do Infinito, que só precisa ser citada para fazer sentido, e uma cena pós-créditos faz todo o trabalho necessário para colocar Stephen Strange dentro do universo dos Vingadores.

Sobre a Anciã, rolou muita polêmica quando Tilda Swinton foi escalada para o papel, pois o Ancião original é um homem, daqueles com ar asiático e barba branca, típico mestre de uma arte milenar que se encontra no topo de uma montanha. A atriz ficou ótima no papel e seu gênero de nada influenciou na trama ou em sua personalidade, quebrando esse esteriótipo que acabei de citar. 
Benedict também está ótimo no papel, além de apresentar bem aquele ar arrogante, porém cômico em certos momentos, ele também dá muita carga emocional ao personagem em seus momentos dramáticos, o que ajuda muito o tom do filme a parecer mais sério. Sem contar que ele é a cara do personagem!


Dos efeitos, não há o que dizer, são lindos e vale completamente o ingresso para 3D ou IMAX, com destaque para a Dimensão Negra, que é escura e ameaçadora e ao mesmo tempo linda, com cores brilhantes e vivas (e um roxo mara!), visualmente não seria um lugar tão ruim para ficar em loop infinito.
Além disso, uma coisa que chama a atenção, e que eu definitivamente não esperado se destacar, é a trilha sonora. Ela lembra levemente Guardiões da Galáxia, que tem sua trilha de ação, de momentos mais dramáticos mas que ao longo do filme apresenta músicas bem diferentes, até meio breguinhas para as cenas de humor.


Em resumo, um ótimo filme. Visualmente lindo, com ótimas atuações e que mostra como o universo cinematográfico da Marvel pode amadurecer. Estamos torcendo!

3 séries completas para maratonar na Netflix

Hoje vim indicar três séries para você que está louco pra fazer uma maratona e não sabe o que escolher. Dessa vez selecionei séries que já foram concluídas, só porque é muito ruim quando nos viciamos em uma série, assistimos por dias e quando acabam os episódios disponíveis temos que esperar mais um ano pra voltar a assistir.

A primeira série que vou indicar é uma queridinha minha que conheci há apenas pouco mais de um ano, mas se tornou uma das minha favoritas: Downton Abbey.
Confesso, essa série não é para todos os gostos, pois ela não tem tramas extremamente absurdas, aventuras e romances avassaladores, reviravoltas dignas de novelas mexicanas, tudo é muito sutil, mas te prende de um jeito maravilhoso.


A série retrata a vida dos senhores e empregados de Downton Abbey, uma casa de campo (que mais parece um castelo) de Yorkshire habitada pela família Crawley e pertencente a seu patriarca, o conde de Grantham. A história se inicia com notícia do naufrágio do Titanic em 1912, e morte do herdeiro do conde e também de Downton. A partir daí, família precisa acolher o novo e desconhecido herdeiro e lidar com diversas situações que aparecem pelo caminho.

Adoro séries de época e essa em especial, pois retrata um período que gosto muito. Ela se passa entre 1912 e 1924, durante esse período podemos ver um pouquinho da história através de figurinos, eventos históricos e mudanças de hábito. Tudo é sutil e delicado e tem o maravilhoso  humor britânico!


O elenco também é ótimo e ao longo da série podemos reconhecer atores de séries como Game of Thrones ou de Harry Potter, mas a mais brilhante presença é de Maggie Smith, que dá vida à Condessa Viúva (melhor personagem!). O elenco conta também com Dan Stevens, que viverá a Fera na nova adaptação de A Bela e a Fera e o mutante Legião na série homônima, Jéssica Brown Findlay (Sybil  ), Allan Leech (Tom  ), Michelle Dockery e muitos outros ótimos atores.



A segunda série é White Collar. Mudando de gênero, tempo e estilo drasticamente!
Nessa série acompanhamos Neal Caffrey, um falsificador de obras de arte (e notas de qualquer moeda, das moedas inclusive, promissórias, esculturas, ovos de dinossauro, tudo aquele homem faz gente, o que é isso?!) que se torna consultor da Divisão de Crimes de Colarinho Branco do FBI, trabalhando juntamente com o agente que o prendeu, Peter Burke.

O que acho mais legal nessa série, além do ótimo gosto para roupas do Neal, é da relação entre ele e Peter. Os dois tem tudo para serem inimigos, um pensa extremamente diferente do outro, agem diferente, sempre discutem e discordam, mas no fim os dois meio que se completam e isso dá uma dinâmica muito legal à história. Fora isso, os personagens secundários são bastante divertidos e interessantes, com destaque para Mozzie e Elizabeth. Como bônus, só digo uma coisa: Matt Bomer *-*



E por último, mas não menos importante: Gilmore Girls.
Confesso que tinha outra série em mente (Mad Man pra quem estiver interessado, mas falarei dela em um post futuro), mas resolvi indicar essa série agora pois é momento perfeito. Pra quem não sabe, a Netflix está fazendo um revival da série que se chamará Gilmore Girls: Um Ano Para Recordar. Nessa nova e curta temporada, que se passa anos depois do final oficial da série (que durou 7 temporadas), teremos quatro episódios de 90 minutos de duração, cada um deles mostrando uma estação do ano, completando assim mais um ano da vida das garotas Gilmore.
Se você nunca assistiu a série, é uma ótima oportunidade pra assistir. Boas risadas, referências em tanta quantidade que pode te deixar até tonto, romances, excentricidades e ótimas indicações de livros são só algumas coisas que você encontra na série. Sério, confia em mim, vale muito a pena!
A nova temporada está prevista para o final de novembro, então corre que dá tempo de assistir tudo.

Agora gostaria de saber a opinião de vocês. Alguém aí já assistiu alguma dessas séries, o que acharam? Lembrando que as três séries estão atualmente no catálogo da Netflix.